Fale conosco: (11) 3081-8947

LAÇOS EM SAMPA

by secao_sp in Jornada 2019

 Por Gabriela Malvezzi – Associada ao Clin-a

CENTRO CULTURAL VILA ITORORÓ

A Vila Itororó é a primeira vila urbana de São Paulo, composta por um palacete e mais 37 casas, que começou a ser construída na década de 1920. Está localizada na divisa dos bairros da Liberdade e Bela Vista, na região central da cidade de São Paulo. A vila foi erguida com parte do entulho do Theatro São José – o primeiro da cidade, destruído em um incêndio – e chegou a abrigar a primeira piscina privada de uso público em São Paulo. Seu ecletismo surpreende e já foi definida como uma obra surrealista que não se prende às regras do utilitarismo, nem obedece a estilos determinados.

O local, no início considerado moradia chique, foi invadido na década de 1940 e aos poucos transformou-se em cortiço. Nos anos 70 estava em processo de degradação e houve uma primeira tentativa de projeto de restauração. Em 2002, foi tombado como patrimônio histórico da cidade e, em 2006, declarada área de utilidade pública pela Prefeitura de São Paulo, de posse da Secretaria de Estado da Cultura. A Vila, então, passou por um polêmico processo de desocupação, para que se iniciasse um restauro.

Em 2013, a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo iniciou a restauração de maneira um tanto diferente: ao invés de realizar uma obra a portas fechadas, para depois inaugurar um centro cultural pronto, seu canteiro de obras estava aberto desde o início do processo. Sua reforma podia ser acompanhada por meio de visitas com monitores e ocorriam exposições, seminários, oficinas e outras atividades culturais em um galpão anexo, localizado na Rua Pedroso.

O processo de restauração foi interrompido em 2018 e o projeto Vila Itororó Canteiro Aberto diminuiu seu escopo de trabalho, mas a Prefeitura Municipal de São Paulo segue disponibilizando uma programação cultural na Rua Pedroso, 238.

Música

  • O Jazz Não Morde, gratuito e livre. Resgate da sonoridade da música americana do início do séc XX e da cultura musical de New Orleans. Dia 09/06, às 13h.
  • Otis Trio, gratuito e livre. Banda do ABC Paulista inspirada pelo free jazz, be-bop, jazz europeu e experimentalismos. Dia 16/06, às 13h.
  • Caverna Guitar Trio, gratuito e livre. Uma série de apresentações musicais que resgata o cenário da música instrumental em diversas vertentes, ressaltando a linguagem da música brasileira. Dia 23/06, às 13h.

Intervenção Artística

  • Festa Junina na Vila Itororó, gratuito e livre. Pratos típicos dos festejos de São João e Forró do Assaré com um repertório recheado de canções clássicas do forró pé de serra. Dia 30/06, às 17h.
  • Encontro público gratuito e livre, em parceria com Instituto Goethe, em uma roda de conversa para abordar as reflexões dos futuros usos na Vila Itororó. Dia 30/06, às 14h.
  • Forró do Assaré, gratuito e livre. Um repertório recheado de canções clássicas do forró pé de serra. Dia 30/06, às 17h.

Para acompanhar a programação:

Página da Prefeitura: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/noticias/?p=25962

Facebook da Vila: https://www.facebook.com/vilaitororo/


BONA

Localizada na região de Pinheiros e aberta como restaurante, a casa ganhou nova vocação no fim de 2017, com a entrada de uma sócia cantora: a de bar de música ao vivo. A partir daí, o Bona passou a funcionar como restaurante durante o almoço, com cardápio do restaurante Gardênia – conhecido por servir com excelência pratos de cordeiro – e à noite, após às 20h, como casa de shows.

As noites de terça e a quarta-feira são reservadas para o jazz e as de quinta a sábado tem a proposta de receber shows autorais. Com boa acústica e clima intimista, um pequeno palco no centro do salão tem formato de “L”, cercado por mesas e balcão. O cardápio muda: oferece comida simples e artesanal – como arroz cremoso de pato ou panelinha de ovo caipira cozido com creme de batata assada com queijo, presunto cru e torradas – além de drinks sempre bem executados – com um belo old fashioned.

Trabalham com capacidade máxima de 100 pessoas, entre lugares sentados e em pé, não realizam reservas e seguem o esquema de mesas compartilháveis. Dentre as atrações de junho, estão JazzKilla com Luedji Luna fazendo o jazz encontrar o rap, Karina Burh e Marisa Orth cantando Belchior, Blubell cantando o Álbum Branco dos Beatles, o projeto Música do Brasil Central (composto por Paulo Simões, Tetê Espíndola, Marcio De Camillo, Jerry Espíndola e Chico Teixeira) fazendo um tributo a um dos compositores mais gravados e influentes do Mato Grosso do Sul, dentre outros.

Os ingressos custam de R$ 35,00 a R$ 45,00 (+ 10% de taxa do site) e a programação completa pode ser acessada no endereço: https://www.sympla.com.br/bona


LIVRARIA AFRICANIDADES

Ketty Valencio é o nome da pesquisadora e bibliotecária cujo trabalho impacta diretamente a vida de autores independentes no Brasil. Ela é fundadora da Livraria Africanidades, um acervo repleto de livros escritos por pessoas negras. As obras que vende são encontradas em grandes livrarias, sendo a diferença da Africanidades o acesso a esses livros que, em uma livraria comum, não costumam estar facilmente expostos. “Essas obras sempre estão com status de encomenda. E outro ponto importante: a pessoa tem que saber os dados corretos, já ser um apreciador dessas obras ou ter tido alguma indicação para consumi-las”.

Me preocupa que a literatura afro-brasileira não tenha acesso para todas as pessoas, principalmente para a população que vive nas periferias do Brasil. A importância disso não é de status e sim de transformação de vidas, percepção da existência de uma rede de coletividade e resgate do seu eu”. Com a missão de promover, resgatar e valorizar as identidades negras brasileiras e africanas através dos livros e da cultura, a Africanidades acaba sendo um espaço onde pessoas negras podem ser agentes ou produtores de artes em geral.

As compras são online ou na loja física, às segundas-feiras, de 12h às 17h. Nos demais dias, é necessário marcar horário por messenger ou e-mail.

Espaço físico:

Rua Paulo Ravelli, 153 – Vila Pita – São Paulo/SP.

Site: http://www.livrariafricanidades.com.br

Fonte: http://www.ideafixa.com/posts/um-papo-com-ketty-valencio-a-pesquisadora-por-tras-da-livraria-africanidades

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>