Conexões com a cidade

34ª Bienal de São Paulo Faz escuro mas eu canto

Imagem: Instagram @artdose_by_ag
Imagem: Instagram @artdose_by_ag

A 34ª Bienal de São Paulo, assim com tudo que foi planejado para o ano de 2020, teve seu início adiado em função da pandemia. Naquele momento, com a programação estendida durante todo o ano, diversas exposições teriam lugares em vinte cinco diferentes espaços culturais e artísticos de São Paulo, além do Pavilhão da Bienal, no Parque Ibirapuera, onde acontece o evento em todas as suas edições. Ou seja, ela pretendia se expandir no tempo e no espaço.

Frente à contingência, os curadores tiveram que se reinventar e propuseram no ano passado várias atividades online. Agora, com a cidade na fase verde, mesmo com um tempo encurtado e em menos espaços na cidade, será possível enfim visitar presencialmente as exposições. Além do Pavilhão da Bienal, “Em conexões com a cidade”, outras dezenove instituições recebem a curadoria da Bienal com exposições estendidas pela cidade.

Faz escuro mas eu canto é o título escolhido para a 34° Bienal. A sobreposição de passado e presente continua sendo uma estratégia, mas agora atravessado pela pandemia. Se nada será como antes, a reinvenção se faz presente e marca essa edição, segundo os próprios curadores: “Certamente, esta Bienal não é a mesma que se veria um ano atrás. Algumas obras se verão mais claras, outras mais opacas; algumas mensagens soarão como gritos, outras chegarão como ecos. Não precisamos entender tudo, nem nos entender todos; trata-se de falar nossa língua sabendo que há coisas que outros idiomas nomeiam e nós não sabemos expressar”.

Saiba mais: 34ª Bienal de São Paulo (34bienal.org.br)

Destaque da Bienal:

Outros paradoxos

Imagem: Instagram @mac_usp
Imagem: Instagram @mac_usp

Regina Silveira expõe cerca de 180 obras no MAC USP. Além de ser uma das mais importantes artistas brasileiras, o encontro da psicanálise com sua obra sempre nos ensina e tem efeitos que reverberam com entusiasmo.

Outros Paradoxos faz uma retrospectiva de sua trajetória, apresentando esboços dos projetos, maquetes, vitrines com documentos e vídeos informativos, além de quadros e instalações. Segundo as curadoras, a exposição apresenta “à inquietação característica da atitude questionadora da artista diante da vida e da arte”.

Esta retrospectiva integra a rede de expansão da 34ª Bienal de São Paulo, uma parceria do MAC USP com a Fundação Bienal de São Paulo.

Saiba mais: http://34.bienal.org.br/exposicoes/7448


Encontros históricos na Sala São Paulo

Imagem: Instagram @salasaopaulo_
Imagem: Instagram @salasaopaulo_

Encontros!

A Sala São Paulo reabre suas portas recebendo a Orquestra Jazz Sinfônica e grandes nomes da MPB, como Gilberto Gil, Elba Ramalho, Mart’nália, Geraldo Azevedo, Maria Luiza Jobim, dentre outros. A possibilidade do encontro é possível somente com a apresentação do comprovante de vacinação e respeitando todos os protocolos de segurança.

Saiba mais: http://www.salasaopaulo.art.br/encontros-historicos/


 

78 Festival de Veneza

Imagem: Instagram: @barbararaquelpaz
Imagem: Instagram: @barbararaquelpaz

O curta-metragem Ato dirigido pela artista e cineasta Bárbara Paz foi selecionado para o 78 Festival de Veneza que acontece entre dia 1° e 11 de setembro. O filme conta a história de um casal, mas seriam eles também uma parceria? Um homem em um mundo suspenso e solitário e sua única companhia, uma mulher “profissional do afeto”.