Fale conosco: (11) 3081-8947

EDITORIAL
Solidões

Por Heloisa Prado Rodrigues da Silva Telles
Comissão de Orientação das IX Jornadas
EBP/AMP

Se no léxico, solidão, ou solitude, equivale a abandono, isolamento, desamparo, no campo que nos concerne há, notadamente, uma distinção entre estes termos – em psicanálise, trata-se de formalizar aquilo que se engendra a partir de uma práxis. Depois de transcorrido este lapso de tempo – entre o lançamento do tema das nossas Jornadas e a precipitação de sua realização – podemos dizer que temos muitas cartas nas mãos, mas certamente estamos no início da partida!

UNS TRAÇOS

Ô Solitude – Catherine Millot

Por Veridiana Marucio
EBP/AMP

“A felicidade de viver sozinha,
 quando a leveza que a acompanha vai até ao apagamento de si
 na alegria contemplativa”

A solidão, abordada nesse livro – que se situa entre um ensaio e um romance – nos é apresentada de uma maneira única. Não se trata de uma ficção romântica, muito menos de uma simples anamnese, mas sim da relação da história da autora, do que chamamos em psicanálise de seu próprio caso, imbricada à história da solidão em suas múltiplas encarnações.

A solidão de um ato

Por Patricia Badari
EBP/AMP

Era uma vez… Era uma vez… Era uma vez… Durante mil e uma noites. Assim, um reino da lenda persa, saiu de sua maldição. Aquela que poderia ter sido mais uma esposa a ser morta após a noite de núpcias, toma a palavra e o rei Shariar deixa-se iludir; se encanta com as histórias de Sherazade, essa que toca algo da causa de seu desejo e lhe abre a possibilidade de escolher uma outra saída para si e para seu reino.

O Koan e a solidão do Sinthoma

Por Fátima Pinheiro
EBP/AMP

A psicanálise é uma prática que implica um modo inovador de habitar a linguagem. Lacan aponta que a direção da cura requer que o analista se oriente rumo à poesia, ao situar a interpretação como poética, tendo como efeito o despertar. Na aula de 19 de abril de 1977, Lacan diz: “Se vocês são analistas, verão que é o forçamento por onde um psicanalista pode fazer soar outra coisa que o sentido. O sentido é o que ressoa com a ajuda do significante, mas o que ressoa, isso não vai longe, é mais frouxo.

Do ser à solidão da existência

Por Sílvia Sato
EBP/AMP

Uma das perspectivas que a comissão de orientação dessas Jornadas propôs diz respeito à solidão referida ao falasser, para quem o efeito da ausência do Outro é “uma ruptura do saber” e a solidão dá acesso ao “impossível de intercambiar, comunicar, ao que não se pode falar”.

Imagem: instagram @cmz.photo
Imagem: instagram @cmz.photo

LAÇOS EM SAMPA

Por Jovita Carneiro de Lima
Associada ao CLIN-a

1. Canaille Bar
2. Mostra “Entrevendo” reúne 150 obras de Cildo Meireles no SESC Pompeia
3. Teatro – Musical: Dona Ivone Lara – Um Sorriso Negro

Comissão de Boletim e Divulgação:
Niraldo de Oliveira Santos (Coordenador), Camila Popadiuk, Cybele Lobo , Eduardo César Benedicto , Gabriela Malvezzi,
Gustavo Oliveira Menezes, João Lucas Zanchi, João Paulo Desconci , Jovita Carneiro de Lima, Marcella Pereira de Oliveira,
Maria Marta Ferreira, Rosângela Castro Turim
Nova Sede da EBP/SP – Rua Teodoro Sampaio, 1020, 16º andar – Pinheiros, São Paulo
Webdesigner: Bruno Senna