Fale Conosco: (21) 2539-0960

Ecos de ZADIG no Rio

by secao_rj in Aconteceu na Seção RJ

Por Marina Morena Torres

O Fórum Lei e Violência teve seu tema decidido após a Conversação “Psicanálise e Democracia” ocorrida em Outubro do ano passado na Seção Rio. A onda judicializante da política já estava movendo a nós, interessados por política, para esse caminho de estudo. No cenário brasileiro, em poucos meses ficou ainda mais claro que articular lei, política e psicanálise só poderia trazer também a questão da violência para a pauta. Entendendo que a vigência do regime democrático de direito é condição fundamental para a existência da prática psicanalítica, o cenário político convoca a todos os analistas e cidadãos a um posicionamento a respeito da conjuntura atual. Revoltar-se, da boa maneira [1], indicação importante de Miller, veio à tona em meus pensamentos ao longo do Fórum.

O Fórum se iniciou por duas falas de abertura, seguidas da primeira mesa sobre torções da lei, passando pela mesa sobre tiranias contemporâneas, a ciência e o ceticismo, para então os convidados falarem da questão da segregação, violência e extermínio e, por fim, a fala de encerramento retomando a função dos fóruns. Tudo isso aconteceu em um salão onde havia uma dramática escultura retratando a Justiça – historicamente representada vendada para demonstrar sua imparcialidade – contrastando diretamente com as falas dos participantes.  A escolha do local, a combativa e histórica Faculdade Nacional de Direito (UFRJ), compôs o cenário, contribuindo para o tom potente do encontro.

O Fórum teve um formato diferente onde as mesas, compostas por pessoas de outras áreas do conhecimento, coordenadas e comentadas por psicanalistas, encaminharam o necessário diálogo na interface da psicanálise com outros saberes. Dessa interface extraímos ensinamentos sobre política e sobre o desafiador lugar dos psicanalistas na política. Com o sentimento de que avançamos no debate político, também seguem reverberando questões sobre como tomar partido e posicionar-se como psicanalistas[2] nesse difícil momento que estamos vivendo no país.

Fico com a aposta de que o “espírito ZADIG” nos inspire daqui para frente a encontrarmos mais pontos de abertura com outros saberes e mais espaços de respiro em meio ao caos.


[1] Jacques-Alain Miller “comment se révolter? In: La Cause Freudienne, nº75, Paris, 2010/2, p. 212-217.
[2] Romildo do Rêgo Barros “psicanalistas na política como psicanalistas” in: http://lalibertaddepluma.org/romildo-do-rego-barros/

1 Comment

  1. Marina Morena repercute aqui, de forma muito pessoal e entusiasmada, o que recolheu do Fórum ZADIG “Lei e violência” que ocorreu dia 3 de agosto. Ela situa como um desafio a entrada da psicanálise no campo da política e realça sua importância no momento que atravessamos no país.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>