Fale Conosco: (21) 2539-0960

Seminário de Orientação Lacaniana

by secao_rj in Aconteceu na Seção RJ

8/10/18 Seminário de Orientação Lacaniana

Comentários de Maria Corrêa de Oliveira

O Seminário de Orientação Lacaniana de 08 de outubro contou com a rica apresentação feita por Marcia Zucchi do capítulo XXIII do Banquete dos Analistas, acompanhada da interlocução pontual de Rodrigo Lyra.

Marcia destacou “o estranho desejo de saber” presente na psicanálise e a articulação apresentada por Miller relativa à perspectiva do passe, levando-o a considerar duas abordagens: o passe do sujeito e o passe da psicanálise.

Da parte do sujeito, esse passe é dirigido à Escola. Já do lado da psicanálise, o endereçamento é à ciência, ao saber científico. Esse segundo direcionamento provoca muitas reflexões, já que nos vemos às voltas com diferenças e impasses em relação ao discurso científico.

A pergunta, “Quem é o Outro da psicanálise?”, apresentou-se como o cerne do debate e dos embates dessa noite de conversa.

Ressalto a ênfase de Marcia, indagando e nos permitindo indagar também a respeito da relação de Lacan com a ciência, já que, principalmente a partir do Seminário 23, ele “se serve da arte” – arte como um recurso inventivo, como artifício.

Para enriquecer essa apresentação, os dois debatedores recorreram ao texto “Intuições Milanesas”, de Miller. Nesse texto, está claro como o processo analítico se afastou da noção de tratamento, norma e ideal, para se deter na experiência, particular, onde um final de análise vai estar relacionado às transformações no regime do gozo de cada um.

No entanto, em decorrência da era globalizada, o analista é constantemente chamado a ocupar o lugar de “cuidador”, attention givers, sendo depreciado e correndo o sério risco de contribuir com o rebaixamento da psicanálise.

Esse caloroso debate pôde manter o impasse relativo ao lugar ou ao “não lugar” da psicanálise em nosso mundo.

Estaremos nós nessa direção, dos “sem lugar”, esquivando-nos desse destinatário a quem buscam “conforto”, buscando respostas para manter a vivacidade da prática analítica nesse intuito da constante reinvenção?

Embora Paulo Vidal tenha nos lembrado da presença de estudos epistemológicos e psicanalíticos em centros de estudos científicos como a Coppe/UFRJ, ainda assim, permanece a questão sobre o Outro da psicanálise parecer estar mais perto da arte do que da ciência.

Questões não nos faltam!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>