[Ação Lacaniana Entre-vista – Nº3] Entrevista de Rômulo Ferreira da Silva e Carta da EBP ao Ministro da Casa Civil

Rômulo Ferreira da Silva sobre a redução da maioridade penal
Por Ação Dobradiça

Ação Dobradiça pergunta a Rômulo Ferreira da Silva, em entrevista realizada por Lucila Darrigo, o que a psicanálise tem a dizer sobre a redução da maioridade penal.
Confira a opinião esclarecida de Rômulo!

Rômulo Ferreira da Silva – Psicanalista da AME da EBP/AMP.

 

Escola-brasileira-de-Psicanalise

Carta da Diretoria e Conselho da EBP ao Ministro da Casa Civil
Por Ana Lúcia Lutterbach

Belo Horizonte, 14 de dezembro de 2015

Excelentíssimo Ministro da Casa Civil,
Doutor Jaques Wagner

“Longe de ser a loucura o fato contingente das fragilidades de um organismo,
ela é a virtualidade permanente de uma falha aberta em sua essência.
Longe de ser para a liberdade ‘um insulto’, ela é a sua mais fiel companheira,
ela segue seu movimento como uma sombra.
E o ser do homem não pode ser compreendido sem a loucura,
mas também ele não seria o ser do homem se não trouxesse nele a loucura,
como o limite de sua liberdade.”
Jacques LACAN

Nós, psicanalistas da Escola Brasileira de Psicanálise, implicados com os princípios que orientam a lógica da nossa ação, não recuamos face aos impasses que atravessam nossa clínica para com a experiência da loucura. Portanto, é nossa tarefa e nosso compromisso dirigirmo-nos a Vossa Excelência neste momento na condição de apoiadores da atual política nacional de saúde mental do Ministério da Saúde, referência mundial, justamente por ter como princípio prescindir da lógica da segregação ao abrir o acesso universal a equipamentos e dispositivos de assistência, diversos e plurais, conforme o singular de cada caso, alinhada com uma prática clínica, social e política que promove “saúde para todos, não sem a loucura de cada um”.

A psicanálise de orientação lacaniana sabe e conta com “o grão de loucura” em cada um.  Temos sido parceiros engajados na condução e elucidação da clínica que se pratica no campo da assistência em saúde mental e participamos da construção cotidiana da política que a orienta. Estamos esclarecidos quanto aos seus avanços bem como do que ainda resta a inventar face ao real aí implicado. Portanto, não silenciaremos diante do que entendemos ser uma ameaça de retrocesso nessa política.

A atual política nacional de atenção à saúde mental, incompatível com a ordem totalitária, foi uma conquista importante de nossa jovem democracia. O momento atual requer coragem e firmeza para seguirmos adiante, avançando a partir de seus impasses, levando mais longe essa experiência de abertura sempre que a ordem de ferro tentar cerrá-la.

Assim, solicitamos que Vossa Excelência intervenha no sentido da revogação imediata da nomeação para a Coordenação Nacional de Saúde Mental do Sr. Valencius Wurch, alguém que não apenas não participou da construção da política atual, mas, além disso, declarou publicamente ser contrário a sua instalação no Brasil. Logo, fica evidente que se trata de alguém que não tem legitimidade histórica para conduzi-la.

Cordialmente,

Sérgio de Campos
Presidente da Escola Brasileira de Psicanálise

Ana Lúcia Lutterbach
Diretora da Escola Brasileira de Psicanálise

Secretaria da Diretoria EBP Nacional
R. Capistrano de Abreu, 14 – Botafogo
Rio de Janeiro – RJ
22271-000
Tels: (21) 3149-5270 – (21) 97360 4129

Palavras-chave da postagem